Dor torácica

dor-torácicaA dor nas costas é algo muito comum. Ela pode ser causada por uma série de fatores, e normalmente é algo benigno, que surge momentaneamente e desaparece após pequenas modificações no cotidiano. No entanto, quadros como a dor torácica merecem mais atenção, pois suas causas devem ser curadas com métodos específicos.

Estimativas indicam que até 80% da população mundial vive ao menos um quadro de dorsalgia durante a vida. A dorsalgia é um nome também dado à dor torácica. Ela pode estar relacionada à postura, lesões, fraturas, inflamações, mudanças provocadas pela gravidez e traumas diretos na coluna.

A região torácica das costas é a área compreendida entre a cervical (o pescoço) e a lombar (parte final da coluna). Ela possui doze vértebras, e qualquer problema numa dessas estruturas pode levar à dor. Nessa mesma região há nervos e articulações ligados a outras funções do corpo, o que pode estender a condição a estes espaços. Outros órgãos, localizados próximos à essa região, também podem ser o foco do incômodo.

Deste modo, é fundamental ter cuidado quando uma dor torácica aparece. O incômodo deve ser levado em conta principalmente quando ocorre de forma recorrente. A intensidade da dor também é importante: algo leve e passageiro pode ser fruto de uma distensão muscular, enquanto uma dor aguda provavelmente é resultado de uma inflamação.

Dor torácica e o aspecto muscular

Uma das causas mais comuns da dorsalgia são distensões musculares. Essas distensões acontecem quando o indivíduo, por exemplo, mantém a postura corporal incorreta, com as costas curvadas ou “tortas”. Ficar muito tempo na mesma posição é igualmente prejudicial, tal qual realizar movimentos bruscos.

O exercício físico realizado de forma incorreta é da mesma forma prejudicial, levando ao incômodo na área do meio das costas. Movimentos repetitivos, torções e traumas diretos na área tem os mesmos efeitos sobre as costas.

A dor torácica causada por problemas musculares tem características específicas. Primeiro: ela costuma começar levemente, e ir se intensificando ao longo do tempo. O movimento das costas costuma também aumentar a intensidade da dor, e o paciente tende a se sentir “travado”, sem conseguir realizar facilmente mudanças de posição. Em alguns casos, a tosse ou espirro, realizados repentinamente, também podem causar pontadas de dor.

Outro sintoma comum deste incômodo é a sensação de queimação da área lesionada, que pode, horizontalmente, ir de uma lateral à outra do corpo.

Problemas respiratórios

Problemas em três órgãos importantes para a respiração podem, da mesma forma, ser causa da dor torácica: os pulmões e o diafragma. Os pulmões são os órgãos mais importantes na realização da respiração de qualquer indivíduo, e ficam localizados na área posterior do corpo. Ou seja, bem próximos ao meio das costas. Se, por alguma inflamação ou disfunção, eles passam a trabalhar de maneira incorreta, o indivíduo pode sentir dores características da dorsalgia.

A dor torácica com essa causa costuma ser difusa, ou seja, tem ponto principal no meio das costas, mas se espalha para outras áreas. Assim, o paciente com o problema acaba por perceber reflexos da dor também em outras partes das costas, e cansaço insistente. Seus fatores causais são lesões na Pleura (membrana que envolve os pulmões), quadros infecciosos como a pneumonia, alterações vasculares no pulmão (como a tromboembolia pulmonar) e doenças crônicas no pulmão.

Além da dorsalgia, o paciente com distúrbios no pulmão costuma sentir dor no peito, tosse e a sensação de “peso” no tórax e nos ombros. É igualmente comum haver ainda sintomas como falta de ar, cansaço, secreção nasal e até febre, em casos de inflamações e contágio por agentes infecciosos.

Já o diafragma é um músculo que ajuda os pulmões em suas funções. Ao se estender, esse músculo cria uma “pressão negativa” dentro da caixa torácica, e assim o ar entra nos pulmões mais facilmente. Além disso, o diafragma auxilia o processo de digestão dos alimentos. Se algo afeta esse órgão, como um trauma ou inflamação, o corpo reage provocando dor.

Rins também são causa

Os rins são dois pequenos órgãos localizados na parte traseira do corpo, junto às costas. Eles são responsáveis pela filtragem do sangue, eliminando substâncias tóxicas e outras de que o organismo não precisa.

Devido a fatores como o pouco consumo de água, infecções, anemia, diabetes e outros, os rins podem ter suas funções comprometidas. Então, surgem infecções, pedras nos rins e outros problemas. Por serem localizados tão próximos ao meio das costas, os órgãos então provocam dor torácica, bastante intensa e repentina.

Normalmente, este sintoma aparece em apenas um lado das costas, pois é pouco comum que ambos os rins sofram problemas simultaneamente.

Perigo das lesões vertebrais

dor-torácicaAs lesões na coluna também podem causar a temida dor nas costas. Entre as mais recorrentes, há a hérnia de disco, resultado de uma lesão nos discos vertebrais. Os discos são estruturas fibrocartilaginosas localizadas entre cada uma das vértebras da coluna. Eles são os amortecedores naturais da espinha, e evitam que a cada movimento os ossos da região se choquem, o que causaria dor e desgaste.

Ao longo dos anos, ou por fatores como a má postura ou outras doenças, os discos vertebrais podem sofrer desgaste acelerado. Neste caso, seu núcleo, chamado de núcleo pulposo, altera seu local de repouso. Isso significa que, se antes permanecia no centro do disco, o núcleo começa a se deslocar, causando uma alteração na forma do disco. A estrutura costuma se tornar mais esticada, perdendo a silhueta oval. Essa alteração, então, provoca a compressão de nervos próximos à espinha, causando dor.

Quando todo este processo ocorre, o problema é chamado de hérnia de disco. Apesar de ser muito mais comum na área cervical e na lombar (já que essas são as que suportam maior peso do corpo), a hérnia pode sim ocorrer no meio das costas. E então, a dor torácica aparece associada ao formigamento, queimação, espasmos musculares e travamento da coluna (principalmente ao acordar).

É frequente também que o paciente com este problema perceba perda da força na área, perda de sensibilidade, e a sensação de pernas e braços “pesados”. Como reflexo, podem surgir ainda quadros de dor de cabeça e aumento da dor quando existem atividades bruscas, como respirações profundas, tosses, espirros ou movimentos rápidos realizados com as costas.

Além da hérnia, problemas análogos na coluna podem provocar a dorsalgia. Como a artrose, osteofitose, estenose do canal vertebral, traumas diretos na região e vários outros.

Atenção aos problemas digestivos!

Outro sistema que pode provocar dores nas costas é o digestivo. Relacionado ao diafragma, e também pela ligação de alguns nervos entre as regiões, problemas no fígado, estômago, vesícula biliar e duodeno, além de seus sintomas específicos, dão ao indivíduo uma dor nas costas insistente. Os quadros de dorsalgia não costumam ser agudos ou repentinos: eles surgem e vão se intensificando ao longo do tempo.

No caso dos problemas digestivos, a dor torácica vem acompanhada de sintomas como azia, gastrite, enjoos, dores abdominais e indisposição. Os sinais tendem a piorar em momentos específicos do dia, como durante o sono e após as refeições.

Outras causas

Além dos fatores causais mais comuns, citados até aqui, há problemas menos recorrentes que podem levar à dorsalgia. O primeiro deles são os tumores, pouco frequentes nessa região das costas. Além desse, há a possibilidade de surgimento do incômodo como um reflexo cirúrgico.

Se uma cirurgia ocorre nas costas, nos órgãos respiratórios ou digestivos, ou ainda nos rins, o indivíduo pode conviver por algum tempo com a dor no meio das costas. A situação é comum, desde que não seja intensa ou incapacitante. Se for este o caso, o paciente deve imediatamente informar seu médico, pois é possível que o corpo não esteja reagindo bem ao procedimento cirúrgico. Ao mesmo tempo, há a hipótese de que a operação tenha afetado algum órgão diretamente, o que deverá ser tratado.

Diagnóstico do problema

Para o correto diagnóstico da dor torácica, o médico costuma realizar uma série de etapas. Afinal, são muitos os fatores causais possíveis, e definí-lo com precisão é fundamental para um tratamento eficaz. Logo, o início dessa descoberta é realizado por um bate-papo entre médico e paciente. Nele, o especialista vai procurar entender todo o quadro do indivíduo. Serão realizadas perguntas como: como você caracteriza sua dor nas costas – aguda, branda? Ela é recorrente? Quando ela se iniciou? Há algo que melhore ou piore o sintoma? Quais outros sintomas você percebeu? Há casos de problemas de coluna em sua família? Você passou por algum procedimento cirúrgico no último ano? Você já manifestou doenças em órgãos como os rins ou os pulmões?

Em seguida, o médico realiza o exame físico. Analisa os batimentos cardíacos do paciente, o ritmo de sua respiração, os reflexos do corpo. Realiza ainda pressão no local indicado como dolorido, para verificar inchaços e a difusão da dor.

Para definição exata da localização da dorsalgia, e de sua causa, o especialista utiliza-se dos exames de imagem. Podem ser realizados, por exemplo, o raio X, que oferece uma visão em azul e branco dos contornos dos órgãos e ossos. A tomografia computadorizada e a ressonância magnética, por sua vez, são capazes de analisar com maior precisão as alterações internas dos ossos e órgãos, como a porosidade da coluna ou uma inflamação nos rins.

Para melhorar a visualização das áreas, o profissional pode ainda se utilizar de técnicas microscópicas. Para isso, ele insere um pequeno dispositivo no corpo e guia-o para uma área específica. Isso permite ver o organismo, literalmente, de dentro.

Com estas informações, o médico consegue definir a causa do problema e o tratamento mais adequado.

Tratamentos da dor torácica

Logo, o tipo de tratamento para a dorsalgia varia de acordo com o diagnóstico especificado. Todas as terapias, no entanto, incluem a mudança de hábitos básicos diários. Entre estes hábitos está a alimentação: é preciso mantê-la sempre balanceada e rica em nutrientes. Sem isso, o corpo não garante todas as substâncias que precisa para funcionar perfeitamente, e fica sujeito a infecções e doenças.

De modo igual, é importante prezar pela realização de atividades físicas regulares. Essas atividades, porém, devem ser sempre supervisionadas por um profissional da Educação Física. Na hora de iniciar a prática, busque um médico e avalie suas condições físicas – um check up pode indicar problemas que você nem sabia que tinha, como uma leve lesão no joelho. Conhecer este problema vai impedir que você realize atividades que o intensifique.

Já o profissional da Educação Física é preparado para indicar os esportes mais adequados e a evolução dos exercícios de acordo com seu ritmo. Por isso, mesmo que você escolha realizar exercícios ao ar livre, como uma caminhada, converse antes com um especialista, buscando entender o melhor modo de realizá-los.

Ademais, é importante investir no alongamento do corpo antes e depois dos exercícios físicos, pois eles diminuem as chances de distensões e impactos extras.

Para situações em que as dores nas costas são causadas por problemas musculares e na coluna, esses cuidados relacionados aos esportes são bastante eficazes. Como já existe um quadro de dor, evitar sua intensificação é fundamental. Quando o esporte não é realizado, ou feito de forma incorreta, porém, pode ocorrer o aumento do impacto nas áreas doloridas. Quanto maior o impacto, maior a dor e a chance de complicações.

Pensando em qualquer fator causal, é fundamental ainda eliminar maus hábitos. Hábitos como o consumo excessivo de álcool, o tabagismo e o uso de drogas.

Cuide da postura!

dor-torácicaA postura do corpo é um ponto importante quando o assunto é a dor torácica. Isso porque, manter uma postura inadequada pode ou causar o problema, ou intensificá-lo. Deste modo, é preciso atenção à necessidade de manter as costas na posição correta durante o dia a dia.

O ideal é que a espinha permaneça sempre ereta. Por isso, a cadeira a que você se acomoda deve possuir um encosto confortável, que permita manter a coluna reta. Ao mesmo tempo, é essencial dar apoio aos braços, nos suportes da cadeira ou deixando-os pousados na mesa. Assim como é importante dar apoio aos pés: você precisa mantê-los no chão, ou firmados num suporte específico. Os joelhos devem sempre se manter em um ângulo semelhante a 90º.

Na hora de carregar peso, a coluna também deve permanecer ereta. Para isso, para suspender um objeto que se encontra abaixo o correto é flexionar os joelhos. Ou seja: você flexiona os joelhos, abaixa-se , segura o objeto e então o suspende, ainda mantendo a postura ereta. Esse tipo simples de cuidado evita tanto as dores musculares, quando o desgaste da coluna.

Nestas situações, de dor mecânica ou vertebral, o tratamento também inclui a fisioterapia. Nas sessões com o fisioterapeuta, o paciente trabalha a correção de sua postura e exercícios que fortalecem as costas. A flexibilização dos músculos também ocorre. Para estes resultados, costuma ser utilizado o método RPG (Reeducação Postural Global). O Pilates e o Yoga também podem ser indicados neste quesito, e servem inclusive como atividades físicas.

Medicamentos e terapias alternativas

Independentemente da causa da dor, um bom modo de tratá-la é pelo uso de analgésicos e anti-inflamatórios. Os remédios são comprados facilmente em qualquer farmácia, e podem ser utilizados nos primeiros quadros de dor.

No entanto, há casos em que as substâncias não fazem efeito, ou em que as dores continuam a ocorrer por mais de uma semana. Se for essa a situação, é imprescindível suspender o uso dos medicamentos e buscar um médico. Afinal, quando a dor persiste, ela tende a ser mais do que uma distensão ou cansaço muscular. Logo, deverá ser tratada com métodos específicos. Se o indivíduo insiste em utilizar os remédios sem prescrição, fica sujeito a mascarar sintomas e intensificar os problemas.

Quando a dor é fruto de problemas em órgãos, como os rins e os pulmões, os tratamentos são realizados por meio de medicamentos específicos a estes órgãos. Em alguns casos, pode ser necessária ainda a realização de cirurgias, como a retirada de pedras nos rins, por exemplo.

Finalmente, existem métodos conhecidos como “alternativos” ao tratamento de dores nas costas. Sozinhos eles não conseguem curar as dores, mas podem auxiliar a terapia e acelerar a melhora promovida por um recurso tradicional.

Entre estes tratamentos há a acupuntura. A técnica insere finas agulhas no corpo do indivíduo, principalmente nas áreas doloridas, e assim consegue promover o relaxamento da região. A aplicação de bolsas térmicas, geladas ou quentes, tem os mesmos resultados. A osteopatia, por sua vez, manipula as articulações e músculos e incentiva o corpo a liberar seus anti-inflamatórios e analgésicos naturais.

Como prevenir a dorsalgia?

A prevenção de quadros de dor torácica passa por muitos dos métodos já citados como tratamento do problema. Como a prática de exercícios físicos supervisionados, a manutenção de bons hábitos alimentares e o não consumo de álcool e drogas.

Cuidar do corpo em geral é sempre a melhor alternativa. Por isso, é importante evitar também situações que influam nos órgãos que podem causar dores nas costas. Ou seja, pulmões, diafragma, sistema digestivo, rins e a coluna. Evite, por exemplo, colocar sua imunidade em risco utilizando roupas molhadas por tempo prolongado. Dê atenção especial à sua hidratação, fundamental ao funcionamento dos rins, e ao consumo de fibras, importante ao aparelho digestivo.

Lembre-se ainda de, no dia a dia, ter atenção à postura. Manter a cabeça baixa é comum, e pode prejudicar a espinha. Isso uma vez que coloca sobre ela pressão excessiva. Por isso, mantenha a cabeça e a coluna eretas ao se sentar, ao andar e, inclusive, ao utilizar aparelhos eletrônicos como o celular. Com cuidados desse tipo, a ocorrência de dorsalgia fica limitada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *